Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Fwd: versículos 84 a 108





Mensagem original
De: jose carlos lima < ideiasemarmario@yahoo.com.br >
Para: edson_barrus@ig.com.br
Assunto: versículos 84 a 108
Enviada: 16/12/2005 12:51

93 Ai, excluído, fui conversar com qualquer um
Com militar do exército brasileiro não pode
E se ele me matar?
Quem sabe com os moradores de rua?
Quem sabe com um pedreiro?
E foi isto o que fiz
Entrei numa construção
Eu ( na construção, um colégio, de nome Lyceu de Goiânia...Vou entrando pela porta dos fundos, que estava aberta... vou entrando até encontrar com um moço): eu estou meio perdido aqui... vim procurar um amigo meu e não encontro... sei lá... acho que ele midou....foi embora....sei lá.... ele dava aula de teatro aqui neste colégio. Como é mesmo o seu nome?
Ele: Leo. Eu sou pintor. Pinto paredes. Estamos pintando este colégio.
Eu: que bom. Também fiz pintura... na faculdade de artes visuais.... mexo com arte...que bom... tudo é pintura... para mim não tem diferença... tudo é arte... Eu estou com um problema sério...
Ele ( com ar de assustado): o que foi?
Eu: tenho que ir para o Rio de Janeiro daqui há alguns dias
Ele: que bom!!!! Você vai passear. Isto é bom
Eu: não vou passear. Vou de bermuda. Vou e volto. Vou ficar somente três horas lá. Vou fazer=apresentar=vivenciar um versículo e volto. Enfim, vou a trabalho. O problema é que não sei se vou ou não. Estou com a passagem comprada. De avião. Se eu for, vou estar viajando de avião pela primeira vez.
Ele: eu nunca andei de avião. Tenho medo. Sei lá. A gente vê lá de cima... as coisas tão pequenas lá embaixo?  Eu, heim? Nem pensar...
Eu: pois é,  mas vou ter que ir. Falando nisso, que dia é hoje?
Ele: quinta-feira...
Eu: quinta-feira? Não acredito... Achei que hoje fosse segunda-feira!!! Meu Deus, só tenho a manhã=amanhã para arrumar minha viagem ou então vender a passagem se eu não for!!!  Quer dizer que hoje é quinta-feira?
Ele: sim. Hoje é quinta feira. Amanhã é sexta. E aí já é sábado.
Eu: meu Deus, onde eu estava? Perdi a noção do tempo=espaço!!! O que faço agora? Será que vou ter que ir de qualquer jeito? Nem sei o que vou apresentar lá!!!!!
Ele: apresenta qualquer coisas.... apresenta suas coisas.... você gosta de fazer o que?
Eu: de escrever
Ele: então apresenta seus escritos... Lê seus textos.... O meu pai adora ler. .. Ele deve estar ali, enfurnado naquela bagunça. E aponta um quarto cheio de brugunços, coisas velhas, de construção,  ferros velhos misturado com gente. É ali que se recolhe para ler depois da lida=trabalho sol a pino.  Ele está lendo Memorial de Maria Moura...
Eu: seu pai é de qual cidade?
Ele: do Rio de Janeiro
Eu: ah, vou ter que conversar com ele. Ele vai ter que me ajudar. Nem sei como se chega no Rio de Janeiro. Qual o telefone dele?
Ele: o nome dele é Sandro. O telefone dele é 96844425.
Eu: ta aqui na construção? Posso falar com ele?
Ele: ele não está aqui. Está no Hospital Materno Infantil
Eu: alguém doente?
Ele: Não. Ele foi pintar umas portas. Ele é o Hélio, aliás, ele e o Hélio ( entendi Edson).
Eu: Hélio ou Edson?
Ele: tanto faz
Eu ( telefonando): quem ta falando?
Ele: o Sandro
Eu: eu to indo para o Rio de Janeiro. O seu filho disse que você conhece o Rio. Não conheço nada lá. Você pode me orientar?
Ele: claro. Com o maior prazer. Posso te ajudar sim. Estou aqui no Hospital, desde cedo. Vou sair após as 23 horas, temos que terminar este serviço. Você pode vir aqui.
Eu: não vou não. Ta tarde. Amanhã eu volto aqui na construção.
Ele: ta bom... como você achar melhor.
Eu ( conversando com o pedreiro=pintor=filho): não sei se eu vou...
Ele : vai cara... apresenta tuas coisas... não se esqueça de que, como diz o ditado popular, o raio não cai duas vezes no mesmo lugar... se você foi convidado, vá.... se você não for,  poderá não ser convidado quando você quiser ir. Vá
Eu: sabe como eu vou. Vou ser grato a você pelo resto da vida. Sabes como eu ia chegar no sábado achando que ainda era 3ª. Feira? Enfim, eu ia perder a passagem. Agora posso até vende-la, ainda é tempo, se eu não for, vendo a passagem.
Ele: você vai, vende a passagem lá no Aeroporto do Rio, dorme lá e volta de ônibus.
Eu: não sei. To tão inseguro! Não sei que obra devo apresentar lá. Embora eu possa ir somente para me encontrar com o pessoal. Não há uma obrigação. Não sou obrigado a apresentar nada. Tenho umas fitas=sons=vídeos=fotos=escritos=objetos=projetos de ações=performances lá em casa. Mas é tão bagunçado que não consigo encontrar nada. Eu posso fazer um prato=comida.
Ele: sou ruim de cozinha
Eu: posso apresentar uma brincadeira, uma prenda. Você sabe alguma? Aquelas brincadeiras de criança... Vou colocar o pessoal lá para participar de uma prenda... Quem perder vai ter que usar uma roupa que vou levar... Uma burca cristã=islâmica....
Tem uma que é uma brincadeira assim: você risca um desenho no  chão.... escreve uns números... e vai pulando de quadro em quadro.... tem outro que você põe um pequeno pedaço de toa=pedra na cabeça, faz um movimento... joga a pedra de costas e tem que acertar num alvo x... não acertando, perdeu....
Ele ( riscando=desenhando no chão,  começa a me ensinar. Ele me ensina=fala das várias brincadeiras=jogos=prendas que, quando não existia TV, spin verbalizadora, pessoa jurídica, as pessoas brincavam. Era muito gostoso.): Tais brincadeiras a gente brincou muito, lá em Goianésia, minha cidade. Com o tempo, tais brincadeiras foram substituídas por brigas=mortes=gangs=bairrismos=ódio. Eu mesmo já participei muito destas brigas, meus colegas participaram. Depois que casei, acabou.
Eu: então... ta vendo....é a força da amizade.... você, como amigo da sua mulher, sofreu uma transformação.... que bom..... estou querendo ler um livro, "As Éticas dos Amigos, A Reinvenção da Amizade", de Edson Passetti. Vou ver depois com o seu pai. Ele gosta de ler, eu não gosto... Vou ver se ele ler para eu escutar. Posso até pagar pra ele o livro pra mim. Pra ler e me explicar=interpretar o livro. Só gosto de escrever. De ler não gosto. Tomei raiva=traumatismo de literatura porque a professora parecia falar estrangeiro. Ela buzinava no meu ouvido o tempo todo uma palavra que até hoje não esqueço mas não sei o significado, que é a palavra "Parnasianismo'.
Eu: você sabe o que é isso?
Ele: não

Nenhum comentário:

Postar um comentário